12 maio 2013

Diário de intercambista: Manoela Nogueira em Portugal.

Para quem não sabe (acho que ninguém sabe) pretendo fazer um intercambio no final de junho pela AIESEC que é uma organização reconhecida pela ONU como a maior porta-voz do jovem no mundo e que tem como objetivo promover a paz mundial através de voluntariado internacional e impacto positivo. Ficarei seis semanas foram  fazendo trabalho voluntário em algum lugar do mundo que não foi definido ainda. Enquanto estou me organizando e procurando um destino para a viagem, conversei com alguns amigos que já foram. Eles me falaram coisas incríveis e deram dicar valiosas. Baseado nisso, enquanto ainda falta um tempo para a minha viagem, resolvi criar a categoria Diário de Intercambista, onde algumas pessoas que já viajaram vão contar suas experiências. 
Para inaugurar a tag, pedi para que minha amiga Manoela contasse um pouco de suas viagem a Portugal já que ela retornou ao Brasil há pouco tempo. Ela falou um pouco do trabalho, dos costumes e lugares que conheceu não só lá e me deixou com mais vontade de viajar ainda. Mal posso esperar pelo final de junho.

"Aproveitei minhas férias da UFPel em março e abril para viajar. Já tinha assinado contrato para fazer intercambio no final do ano passado e na primeira oportunidade saí para conhecer o mundo. Fui para Portugal pela AIESEC para trabalhar com crianças e idosos em Aveiro.
Saí do Brasil no dia 9 de março e levei junto comigo muitas expectativas. Desci em Porto, onde peguei um metrô para Aveiro, que fica mais ou menos uma hora. Tive uma boa recepção na estação de comboio, com direito a cartaz de boas-vindas. Não foi difícil se sentir em casa porque os portugueses são bastante receptivos com estrangeiros, principalmente brasileiros.
 Mesmo falando a mesma língua e o Brasil ter sido colônia do país, os costumes de lá são bem diferente dos nossos. Um exemplo é alimentação de lá que é rica em frutas, carne e peixe.  Outro fato intrigante sobre os portugueses tem o hábito de tomar sempre um cafezinho após as refeições e à noite o que é bem comum até entre os jovens. Aqui no Brasil aquele famoso hábito brasileiro de tomar uma cerveja e conversar com os amigos à noite é substituído pelo café. Outro hábito bastante forte na cultura é reservar os domingos para a família. Os portugueses costumam não marcar compromissos para este dia e fazer grandes almoços com a família que duram o dia inteiro. 
 

Conheci muitas pessoas lá em Portugal e elas foram parte importante da viagem, por isso acredito que mereçam um espaço aqui. O intercâmbio, além de promover um ambiente multicultural, fez com que eu cultivasse amizades que nunca iria imaginar. Fiz amigos indianos, chineses, portugueses, gregos e egípcios neste pequeno período e isso me fez ter uma visão nova de culturas diferentes, mesmo não tendo ido a todos esses lugares. Conheci uma parte dessas pessoas trabalhando no Move It, que consistia em promover a prática de atividades físicas entre crianças e idosos de diferentes instituições da cidade. Eu trabalhava com um público totalmente variado, dos 4 anos aos 90 anos, o que  fez com que eu percebesse diferentes realidades e acrescentasse muito para a minha vida. Nunca imaginei que iria gostar tanto de dar aulas, e que iria me sentir tão feliz a cada sorriso que eu recebia dos meus alunos. 



Além do intercambio voluntário, aproveitei o tempo que tinha livre e minhas semanas finais em Portugal para viajar por alguns países da Europa. Fiz um roteiro e fui sozinha. Os mapas das cidades se tornaram meus melhores amigos. Descobri lugares incríveis e acabei me redescobrindo também. 


Minha primeira para foi Lisboa. Lisboa chama atenção pela quantidade de prédios antigos e bem conservados. Ao andar pela cidade me senti algumas vezes em outra realidade arquitetônica. Suas ruas possuem muitas subidas e descidas, porém nada que dificulte o passeio pela cidade. Comprei um mapa da cidade e andei por tudo.

Segui meu rumo para Paris depois disso. Estar lá foi como se eu estivesse em um filme. A cidade é linda e eu conheci bastante coisa. Ao mesmo tempo, encontrei muitas pessoas que não gostam de falar inglês e muitas informações em francês. Embora digam por aí que os franceses não são simpáticos, consegui achar pessoas dispostas a me auxiliar. A cidade é muito bem planejada, e não é difícil de se localizar lá, principalmente porque os pontos turísticos mais importantes estão sinalizados na linha de metrô, o que realmente me deu uma luz. Obviamente não poderia ir embora sem conhecer a Torre Eiffel. O que tenho a dizer sobre isso? Incrível. Lá você pode simplesmente sentar-se ao pé da torre ou subir utilizando o elevador por 8 euros ou subindo pelas escadas por 2 euros. Também passei pelo Museu do Louvre e só posso aconselhar você a reservar pelo menos três horas do seu passeio para descobrir as galerias do museu.  Conheci também a Fontana dos Inocentes - que é a fonte renascentista mais antiga da cidade Hotel dos Invalidos. Não poderia não ir até o Palácio de Versalles e de fato, estar naquele lugar foi um momento mágico. Me senti em uma história antiga e apaixonei por cada detalhe do palácio. Passei pelo Arco do Triumfo  aproveitei para ir até Champs-Élysees que é próxima de lá. 



Além de Portugal e França, conheci Madrid. A capital da Espanha tem muito para ser explorado, porém acabei ficando pouco tempo lá. O número de praças chama a atenção, assim como o seu bom estado de conservação. Além disso os espanhóis são muito simpáticos e atenciosos. Lugares para visitar: As praças da cidade, especialmente Plaza Mayor, um dos pontos turísticos mais emblemáticos da cidade. Praça da Espanha, de onde sai a Gran Vía, uma das maiores avenidas de lá e é onde está localizada a escultura de Dom Quixote.




Meu destino final foi Barcelona, onde fiquei um tempo com minha tia e meu primo que estão morando lá. Em Barcelona, fala-se catalão, porém também é ensinado o espanhol nas escolas. O orgulho que os barcelonenses sentem por serem catalões e por terem lutado em uma tentativa de independência  pode ser visto na janela de muitos prédios, na forma de bandeiras da Catalúnia. Além disso, é uma cidade com muitos atrativos como Caixa Fórum que é onde você tem acesso a exposições gratuitas e de qualidade como a sobre cinema e Méllie, Igreja Sagrada Família que embora ainda esteja em obras é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, Casa Battlo que foi construída por Gaudí e é uma das referencias arquitetônicas de Barcelona e do seu período modernista. Também conheci Passeig de Gracia que é a avenida da cidade em que encontram-se lojas de marcas consagradas e é um lugar lindo. Também visitei Rambla, Bairro Gótico, Mercado Boqueria e Plaza Espanya. 
Embarquei para o Brasil e cheguei em Pelotas há mais ou menos duas semanas e já quero voltar. Foi uma experiência maravilhosa e indico para todos que tem essa oportunidade de viajar sozinhos." 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário! Até a próxima :D

© Luiza de Jobim Copyright 2016 Todos os direitos reservados.
Design by Tamires Sobral | Portfólio Ícones by flaticon.com