29 maio 2013

A Elite - Kiera Cass




AVISO: Esta resenha contém spoilers. Não leia se você ainda não leu A Seleção. Ou leia se você é como eu e gosta de spoiler.

Então semana passada finalmente arranjei um tempinho para ler A Elite. Para quem não conhece, A Elite é a continuação de A Seleção, trilogia lançada pela autora americana Kiera Cass em 2012.




A Seleção iniciou com 35 garotas disputando o coração do príncipe Maxon e a coroa de Iléa. Agora restavam apenas seis formando a Elite e com a competitividade à flor da pele. E America era uma dessas seis garotas.
Com a volta de Aspen como guarda ao palácio, America se sente mais confusa que nunca. Os sentimentos pelo jovem da casta 6 voltam à tona enquanto ela luta para descobrir o que sente por Maxon de verdade e lidar com o fato de não parecer uma dama real.
O segundo livro foca bastante na batalha que a protagonista trava entre o sentimento que nutre por Aspen e a possibilidade de ter um recomeço com Maxon. Ela precisava de tempo, mas o dia que o príncipe teria que escolher alguma delas estava cada vez mais próximo e para sua surpresa, Maxon ao tentar ganhar sua confiança entregou um dos diários de Gregory Illéa que seu pai guardava secretamente e somente a família real sabia da existência.
Graças a America e Maxon, o palácio comemoraria o Halloween aquele ano e as famílias de todas as participantes da Seleção estavam convidadas a conhecer a família real e passar um tempo com suas filhas/irmãs. Todos estavam ansiosos, mas um acontecimento no dia do baile fez com que um clima pesado invadisse o palácio e abalasse a relação de America e o príncipe. Consequentemente, essa ação a fez se apegar ainda mais a Aspen, fazendo com que suas lembranças dos momentos que passaram juntos estivessem ainda mais vívidos em sua memória enquanto sentia Maxon se afastar cada vez mais e sentir algo a mais por outra garota da competição enquanto os rebeldes estava cada vez mais perto e causando mais danos aos habitantes do país.  
America estava segura com o poder de escolher entre o príncipe e Aspen, mas uma de suas atitudes incosequentes levou a garota a perder esse poder e arruinar a possibilidade de qualquer final feliz, justo quando ela finalmente havia tomado sua decisão...


Mesmo sendo um romance considerado água com açúcar, A Elite me sentir raiva e até vontade de gritar algumas vezes. Quis bater em Maxon várias vezes, mas quis bater em Aspen também. Xinguei America e falei sozinha quando chegava alguma cena que eu só poderia expressar em palavras. Acho que a Kiera poderia ter ido mais fundo nas questões que envolviam os ataques rebeldes e sobre o que originou a guerra.  Na minha opinião, tudo isso está relacionado aos diários escondidos de Gregory Illéa, que aliás, foi uma das partes que não gostei na história. Lembrou vagamente uma fanfic iniciante no primeiro ou segundo texto que a America leu, mas não adianta, mesmo assim continuei adorando a história da Kiera.  De certa forma, a raiva que estava sentido do Maxon passou a medida que eu avançava nas páginas do livro. O final do livro, apesar de ter me deixado extremamente ansiosa para o último livro, também  me deixou meio decepcionada por ser calmo demais e por não esclarecer nem metade do que se passava em minha mente,  mas acredito que todos meus questionamentos serão respondidos no último livro The One que ainda não tem tradução e só será publicado ano que vem. Enquanto isso estarei aqui aguardando e criando mais mil e uma teorias sobre o futuro da America e de Illéa.


Beijos, Luiza.

2 comentários:

  1. Parece que autora quer segurar a gente até The one, não aguento de ansiedade :S

    ResponderExcluir
  2. Eu chorei lendo A Elite ;S OSOSKOKOS
    Mas as duvidas ficaram muito claras,
    espero que em The One tudo fique esclarecido
    para a história não se perder em seu final, que
    pode ser muito triunfante ! By: Milena

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário! Até a próxima :D

© Luiza de Jobim Copyright 2016 Todos os direitos reservados.
Design by Tamires Sobral | Portfólio Ícones by flaticon.com