14 maio 2012

Marinheiro



Você se sente perdido. Você tem uma cabeça confusa e um temperamento com mais fases que a lua. Você acha que encontrou o seu lugar, acha que encontrou a pessoa que esperou a vida inteira... E no momento seguinte se vê na beira do abismo, chora com medo, pensa em abandonar tudo e voltar para o mar. Você quer se libertar dessa vidinha pacata, quer guardar suas lembranças em uma pequena mala e conhecer o mundo. Você quer sentir o cheiro do mar novamente e realizar aqueles velhos sonhos que ficaram para trás quando voltou para casa. 
Lugar de marinheiro é no mar. Essa frase dá voltas e voltas na sua cabeça sonhadora. Você sente que nada mudou durante todos esses anos e vê as pessoas que conheceu há tanto tempo passando na sua frente, te fazendo comer poeira e se estabilizando na vida. Você também quer ser alguém na vida, mas acontece que algumas almas não foram feitas para seguir a correnteza e você, marinheiro, é uma dessas almas que se sentem perdidas nesse mundo gigante. Você quer dar passos de elefante quando se tem patinhas de formiga, você chora escondido para não demonstrar suas fraquezas e parecer tão vulnerável. Eu te conheço, marinheiro. Podes inventar mil e uma desculpas e tentar esconder essas lágrimas, todo enganar todos com um sorriso, menos eu. Porque esse é o meu papel: Não deixar o mundo cair sob teu teto.
Um belo perdedor. É a imagem que reflete no teu espelho. Alguém que não vai fazer diferença alguma, logo pensa. Mal sabes, marinheiro, que as tuas crenças sempre levarão teu coração ao lugar certo enquanto continuar com a fé intacta. E mesmo com todas as dificuldades ainda quer abraçar o mundo, quer realizar todos os sonhos e conhecer todos os lugares que sua mente incansável busca, mas não se pode ter tudo, meu amor. E então mais uma vez, você chora.
Você acha que não foi feito para pertencer a ninguém, que ao construir seu barco esqueceu da âncora, que é um viajante sem rumo, um coração jovem que ignora as consequências do tempo. Você acha que está sempre sozinho, que o único amigo que tem é aquele reflexo no espelho, o belo perdedor. E mesmo assim você não vai reclamar, não vai ter medo. Vai esperar pacientemente até o dia de voltar para o mar. O lugar que pertence.
Mas marinheiro, você tem uma missão. Todos nós temos. Talvez você não esteja destinado a voltar a velejar. Talvez seja a hora de você encontrar sua âncora e seguir sua vida. Belo perdedor, quando você vai entender que o seu maior desafio não é enfrentar as noites tempestuosas em alto mar e sim as tempestades de sua mente? Por favor, marinheiro, fique mais um pouco. Converse mais um pouco, viva mais um pouco e enfrenta teus medos. Teu coração anseia pelo mar, tua mente pelo desconhecido, mas um dia não terás mais aquele barco para fugir sem destino. Você terá apenas o que restou. E o que restou é apenas uma lembrança.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário! Até a próxima :D

© Luiza de Jobim Copyright 2016 Todos os direitos reservados.
Design by Tamires Sobral | Portfólio Ícones by flaticon.com